Our Blog

Adoraria dizer que não me incomoda passar meses sem postar, mas a verdade é que eu adoraria conseguir colocar aqui cada trabalho conforme ele acontece (mas olha, já estou pra lá de atrasada!) Então, buscando (re)começar de algum canto – e jogando pro lado essa frustração que só me dificulta o ato de retomar – escolhi um parto, pra voltar ao prumo. Nada mais coerente, não? :)

Pois bem, pra começar do começo (ô, mania!), preciso falar da Andrea e do Gustavo, casal pra lá de especial que conheci meses antes numa reunião da Cátia (doula que tenho o prazer de conhecer e trabalhar junto). A Andrea estava ainda no comecinho da gestação da Marina quando me viu por lá, e meses depois marcamos uma reunião na casa deles. Pensavam no registro do parto, e quem sabe um ensaio ou outro. Fui recebida de um jeito tão doce por eles, em casa. Tinham se mudado a pouco, e estavam já com umas 30 semanas mais ou menos. Mal sabia eu que depois dessa visita, passaria a fazer parte da vida de uma família incrível.

Marcamos o ensaio e lá fomos nós! A Andreia queria umas fotos num cantinho que eu amo ali na subida do Parque da Cidade, e outras na praia. Foi leve, simples, colorido. Como eles. Me identifiquei tanto! Eles eram pais de menina, mas não queriam que fosse tudo cor-de-rosa. Marina era cheia de cor, mesmo ainda dentro da barriga. E isso é nítido até hoje. Gosto de pensar que são as cores dela, que ela vai levar pro mundo.A Andreia estava linda, inteiramente. Eu fiquei encantada com eles!

ANA_2241 ANA_2268 ANA_2329 ANA_2337 ANA_2339 ANA_2344 ANA_2361 ANA_2364 ANA_2371 ANA_2428 ANA_2488 ANA_2563 ANA_2585 DSC_0373

Não lembro quanto tempo depois exatamente a Marina chegou. Não sei ao certo o intervalo. Lembro que estava na expectativa, quando recebi uma mensagem sobre o início do trabalho de parto. Nove de julho. Cheguei, ainda na casa deles, como havíamos combinado. O clima era tão bonito. A doula, a médica, todos já ali juntos. Andrea extremamente corajosa, calma, Gustavo cuidadoso, colado nela. Tocava na sala “Marina Morena”, de Adriana Calcanhoto e eu me sentia fazendo parte de algo enorme, sublime. E era mesmo. (Marina, pequena, nunca mais ouvi essa música da mesma forma). Ficamos algumas horas ali. Tudo caminhando como deveria, naturalmente.

Já no hospital, o processo demorou um pouco mais. Fica mais difícil quando se sai do espaço seguro da própria casa. Mas ainda assim, mesmo vagarosamente, Marina vinha se aproximando. Ela já estava ensinando “calma, as melhores coisas da vida levam um tempo pra chegar”. No final da tarde do dia 10 de julho, aproximadamente 19h depois do início, Marina chegou. A sala estava uma verdadeira arquibancada. A equipe médica e eu torcíamos mais que em final de flaXflu: “isso! vem! Vemmmm” e os sorrisos eram transbordantes – daqueles que vêm com tudo, quando não nos preocupamos em não mostrar dentes demais. Sorriso inteiro. No meu caso, algumas lágrimas também. A chegada de Marina me lembrava o renovar da vida, o dom de criar e gerar, o milagre. Gente, isso é muito. Numa sala de parto, cabia o mundo inteiro. Cabia Marina e suas novas cores. Cabia uma mãe zelosa e emocionada. E o um pai extremamente carinhoso. Cabia uma equipe feliz e realizada. Cabia até mesmo uma fotógrafa chorosa. De repente, os medos sumiram. Os problemas. As preocupações. Tudo ficou do lado de fora. Não importava. Marina estava ali, e isso era tudo.

ANA_5303 ANA_5335 ANA_5346 ANA_5354 ANA_5379 ANA_5437 ANA_5492 ANA_5552 ANA_5556 ANA_5615 DSC_0043 DSC_0186 DSC_0191 DSC_0195 ANA_5658 ANA_5671-2 ANA_5675 ANA_5718 ANA_5752 ANA_5767 ANA_5770 ANA_5806 DSC_0208 DSC_0221 DSC_0229 DSC_0252

 

Marina,

Quanta sorte eu tenho em registrar parte importante da sua história! Que um dia essas fotos te ajudem a montar o quebra-cabeça de como você chegou até aqui. E que elas te permitam lembrar e reconhecer suas próprias cores.

Seus pais são apaixonados por você! (Mas isso você já sabe melhor do que ninguém).  Ainda assim, sempre que quiser relembrar como esse amor começou, espero que possa encontrar aqui nas fotos. Lembre-se: melhor ainda se elas estiverem na parede da sua casa.

Andrea e Gustavo,

Mil vezes, obrigada. Por me convidarem pra esse mundo novo de vocês, chamado Marina. Por confiarem em mim o suficiente para dividir um momento tão precioso e íntimo. Nunca vou esquecer. Nunca mesmo. Vocês marcaram a minha história também.

Um beijo de quem os tem como amigos agora! Haja sorte nessa vida! <3

Comments ( 0 )

    Leave A Comment

    Your email address will not be published. Required fields are marked *